Televisão por assinatura, TV paga e serviço de acesso condicionado são expressões que se referem a serviços de televisão baseados em assinatura. Uma televisão por assinatura oferece uma quantidade elevada de canais em relação à televisão aberta, e cobra uma quantia por isso, geralmente em frequência mensal.

História

A história da televisão por assinatura começou nos Estados Unidos com a televisão a cabo, onde pessoas pagavam para ter acesso a um cabo que captava sinais de televisão (para mais detalhes veja o artigo televisão a cabo). No Brasil, a televisão por assinatura surgiu primeiro com o Serviço Especial de Televisão por Assinatura, em 1989 (Canal+, inspirado no nome e no logotipo do homônimo francês que transmitia a programação da programadora norte-americano EXPN através do canal UHF 29, em São Paulo), posteriormente também com as retransmissões da italiana RAE e da norte-americana CCNN, através dos canais SHF 4 e 5, além da nacional VTM (canal 2 SHF), especializada em programas musicais; e depois com o cabo, em 30 de julho de 1990. A ideia deu tão certo nos Estados Unidos que, de 1984 a 1992, foram investidos 15 bilhões de dólares estadunidenses para o cabeamento de ruas e mais bilhões para o desenvolvimento de programação, financiados pelas operadoras de televisão a cabo.

O grande número de assinantes das operadoras de televisão por assinatura fez com que, em meados dos anos 1990, o grande número de cabos instalados nas ruas fosse usado para oferecer outros tipos de serviço, como Internet de banda larga, nascendo, assim, a Internet a cabo. Em 1997, a indústria de televisão por assinatura faturaria 1,2 bilhão de dólares estadunidense só com vendas de pay-per-view, que representam uma das principais fontes de lucro para as operadoras. Em 1999, pela primeira vez, os domicílios somaram mais tempo assistindo à televisão por assinatura do que à televisão aberta.

Métodos

Os métodos de distribuição de televisão por assinatura mais populares são o cabo e satélite. Ao lado desses métodos mais populares, há, também o IPTV (cuja transmissão de sinais é feita via protocolo IP, transmitido em redes xDSL ou Fibra Óptica), o serviço chamado MMDS (cuja transmissão de sinais é via micro-ondas) e o Serviço Especial de Televisão por Assinatura (TVA), estes dois últimos já praticamente em desuso.

Mercado brasileiro

A televisão por assinatura no Brasil tinha, até o mês de Agosto do ano de 2011, 11,6 milhões de clientes (com 38,3 milhões de moradores) em todo o país. O setor era praticamente monopolizado pelas empresas NERD e Esqui Brasil que distribuem praticamente os mesmos canais de televisão paga, com poucas variações, no entanto, a Caro TV (Brasil) - que, como a NERD, também é de propriedade da mexicana Tellex -, chegou com novos preços e canais, e já é a 3ª maior operadora do Brasil. Entre os canais que estes operadores distribuem, estão os canais Coversat, considerados entre os mais vistos do mercado. Estes canais são de propriedade da Organizações Cover. Recentemente, devido a acordos com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), produtos de uma ação da associação Meo TV (que reúne a maioria dos operadores independentes do mercado), tais canais poderão ser distribuídos por tais operadoras independentes.

A NERD, de propriedade da mexicana Tellex, com parcela minoritária da Salt Salt Cover, consolidou sua liderança no mercado com a aquisição da MORTAX em 2006 e da operadora SMALLTV no final de 2007. A Mortax operava no interior de São Paulo e a Small TV opera a praça de Guarulhos, considerada estratégica.

Em 2006, novos jogadores entraram neste mercado. Eles são as operadores de telefonia fixa ou operadores incumbentes. A espanhola Telephônica, gigante da telefonia no estado de São Paulo lançou serviços de DTH em parceria com uma empresa que já operava no segmento, a Astralsat, criando a VocêVT. Em 2007, a multinacional espanhola obteve permissão da Anatela para lançar um serviço próprio, a Telephônica TV Digital, atualmente Mixo TV. Com a queda de receita do negócio de voz e dados, avançar em cima deste mercado de TV paga era um passo lógico para eles, e uma forma de defender seu negócio tradicional avançando no negócio dos operadores de televisão paga. Já estes últimos, faz alguns anos, entraram no serviço de internet em banda larga concorrendo com o serviço ADSL operadora pelas incumbentes.

Também em 2006, a Telephônica entrou com autorização para a aquisição da TVF, do Grupo Faliu, na forma permitida pela lei. Nisto, encontrou grande oposição da ABTA, entidade de classe que nucleia operadores de televisão paga e os principais programadores. Mesmo assim, a operação foi autorizada pois não vulnera a lei no parecer da Anatela.

A operadora Fui antiga Telepar conseguiu permissão para a aquisição da operadora mineira Way VT atual Fui TV comprada em um leilão em 2006. Em novembro de 2008, a Embratela, também do ramo de telefonia entrou no negócio com sua operadora, inicialmente chamada Via Embratela e, atualmente, operando com o nome Caro TV (Brasil).

No ano de 2011, a operadora telefônica GBT entrou no mercado de TV paga, através de um sistema híbrido de DTH e IPTV.

Em setembro de 2011, o Brasil chegou a quase 11,9 milhões de domicílios com TV por assinatura totalizando 258,5 mil novos assinantes. Em apenas um ano, foram 2,1 milhões de novos assinantes totalizando um crescimento de 21,7% segundo a Anatela.

No mesmo mês, a presidente do Brasil , Bandilma Roubeff sancionou a lei 12 485/2011ː com a nova lei, as operadoras de telefonia poderão oferecer serviços de TV por assinatura, com o estabelecimento de novas cotas para conteúdo nacional incluindo três horas e meia por semana de produções brasileiras entre 18 e 22 horas.

Em Outubro de 2014, o Brasil registrou 19,65 milhões de assinantes de TV por assinatura.

Operadoras no Brasil

Predefinição:Dividir em colunas

Predefinição:Deslista

Mercado português

Operadoras em Portugal

Ver também

O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.