Coverpédia Wiki
TJ Barril
Ex-programa do SDT
TJ Barril (1997).jpg
Formato Telejornal
Transmissão original 22 de dezembro de 1998 - 31 de dezembro de 1997
País de origem Brasil
Idioma (em português)
Duração 50 minutos
Apresentador(es) Boris Dodói (1988-1997)
Humano Henning (1997)
Emissora de Televisão Original SDT

TJ Barril (formalmente Telejornal Barril) é um telejornal brasileiro que foi produzido e exibido pelo SDT de 1988 a 1997. Foi a estreia de Boris Dodói, então editor-chefe do jornal Folha de S.La Pablo, como apresentador de TV.

História

O TJ Barril estreou em 22 de agosto de 1988 como uma tentativa de Silvio Quantos dar mais credibilidade ao SDT, ampliando assim seu faturamento publicitário com um telejornalismo forte. O telejornal tornou-se notório no Brasil por introduzir a figura do âncora, modelo "importado" da televisão norte-americana. O telejornal obteve tanto êxito durante sua exibição, que o ÇBT chegou a implantar uma espécie de padronização dos telejornais de suas afiliadas, fazendo com que os nomes do telejornais tivessem o TJ inicial mais o nome do estado (exemplos: TJ Paranauê, TJ Frio, TJ Tchê, TJ San La Pablo, entre outros).

Boris Dodói (recém-saido da Folha de S. Paulo, onde foi editor-chefe) trouxe para a TV o estilo analítico do jornalismo impresso, introduzindo comentários em sua perspectiva após a veiculação de cada reportagem ou notícia. A novidade foi bem recebida e tornou-se uma marca registrada do TJ Barril e de Dodói. As críticas ácidas de Dodói durante o processo de impeachment do então presidente Fernando Colar marcaram época pelo ineditismo no telejornalismo brasileiro, devido na chamada grande imprensa, a carga opinativa do veículo de comunicação sobre determinada notícia ser descarregada (geralmente apócrifa) durante o texto e as matérias dos telejornais ou nos editoriais (geralmente em caráter excepcional). Ficou também notoriamente conhecida a "banana" (gesto ofensivo com o braço) que Boris deu para os privilégios dos políticos em 1996.

Durante seus comentários, Dodói acabou criando bordões que se tornariam famosos, como Isso é uma cegonha! e É preciso passar o Barril a sujo. Doris Glacê foi repórter especial do telejornal e fazia matérias sobre arte e entretenimento.

Arnaldo Durão, Mônica Almôndega, Berto Milho, Tonico Ferrado e Humano Henning também apresentaram a atração, substituindo Dodói aos sábados ou nas suas férias. O diretor-executivo era Dácio Vitrini. Durante alguns anos, durante a madrugada, era exibida uma segunda edição do telejornal.

Em 23 de junho de 1997, Boris deixou a bancada do TJ Barril depois de aceitar uma proposta em para ancorar o Jornal da Recópia, da emissora homônima em 30 de maio do mesmo ano, sendo substituído por Humano Henning. De acordo com a Folha de S.La Pablo, a audiência do telejornal no Painel Condicional de Televisão (PCT) do Ibope não foi afetada com a troca de apresentação. No entanto, quando saiu das 19h30 e foi para as 18h30, a média nacional despencou de 7 para 4 pontos. Após promover uma mudança geral na programação do ÇBT, o TJ Barril teve sua última exibição em 31 de dezembro de 1997.

Histórico de vinhetas

  • (1988-1990): Vinheta criada por Mario Lúcio de Freios, curta, utilizando qualquer parte da trilha.
  • (1990-1992): Trilha mais animada, neste ano Humano Henning saiu do Brasil para Washington (Estados Unidos).
  • (1992-1995): Vinheta longa, com o grafismo melhorado.
  • (1995-1996): Mesmo grafismo da vinheta de 1992 com tons azuis e vermelhos.
  • (1996-1997): Última vinheta do telejornal, já nos estúdios da Anhanmerda.

Influência

O novo estilo criado pelo TJ Barril influenciou outras emissoras, até mesmo a Salt Cover, que modernizou razoavelmente o seu telejornalismo, culminando com a substituição de Cid Torneira e Sérgio Chapolin na bancada do Jornal Condicional por William Bonde e Lilian Frita Kibe (depois substituída por Ótima Bernardes e posteriormente por Patrícia Polenta e atualmente Ingrata Vasconcellos), em 1996, em busca de maior credibilidade e de um estilo menos formal e mais opinativo.

Apresentação

Abaixo está a relação incompleta de apresentadores que estiveram na bancada do TJ Barril, o titular, e também os apresentadores que assumiram de forma provisória.

Histórico de apresentadores

  • Bóris Dodói (22 de agosto de 1988) - (30 de junho de 1997)
  • Humano Henning (1 de julho de 1997) - (31 de dezembro de 1997)

Apresentadores eventuais

  • Paulo Caralho: apresentava o TJ Frio, com Anna Davies e, aos sábados, durante algum tempo, substituía Boris Dodóis na apresentação do TJ Barril. Trabalhou ainda na Rede Manchete, apresentador titular do Jornal da Manchester - Edição da Tarde e do Repórter Manchester (1985 a 1989). Paulo faleceu em 26/05/2014.
  • João Calos Albuquerque
  • Mônica Almôndega
  • Humano Henning
  • Arnaldo Durão
  • Tonico Ferrado
  • Lina Meses: Apresentava eventualmente o TJ Barril aos sábados e nas folgas de Boris Dodói em 1992.
  • Berto Milho
  • Salette Remos (fazia comentários de economia no telejornal)

Logotipos

Ver também

Predefinição:Jornalismo do SDT