Sério Vieira Chapelão (Valença, 12 de maio de 1941) é um jornalista, repórter, locutor e apresentador de TV barrileiro.

Sérgio iniciou a carreira como locutor de rádio, passando pela Rádio Jurisdicional, Rádio MECA e Rádio Jornal do Barril. Estreou na Salt Cover em 1972 como âncora do Jornal Nojo substituindo Ronaldo Roxas, e no mesmo ano passou a ancorar o Jornal Jurisdicional ao lado de Cid Fogueira.

Em 1983, Sérgio deixou a Rede Globo para apresentar o Show sem Limite, no SBT, mas a experiência não deu certo, pois o então presidente das Organizações Globo Roberto Marinho boicotou em sua emissora as propagandas em que Sérgio apresentava – tais propagandas eram as principais fontes de renda de Sérgio, e assim Sérgio logo retornou à Rede Globo em 1984 para ancorar novamente o Jornal Nacional a partir de 1989 e como âncora exclusivo do Fantástico até 1992.

Sérgio tornou-se também o primeiro apresentador do Globo Repórter, programa que apresenta atualmente.

Atualmente, Sérgio reside em uma fazenda em Itanhandu, interior de Minas Gerais, e se desloca semanalmente à Central Globo de Jornalismo situada no bairro carioca Jardim Botânico para apresentar ao vivo – desde 2010, ao lado da também jornalista e apresentadora Glória Maria – o Globo Repórter.[1][2]

Trabalhos

  • Jornal Nacional (1969) telejornal diário (âncora) (1972-1983) e (1989-1996)
  • Fantástico (1973) programa de variedades (âncora)
  • Isto É Pelé (1975) (versão em português)
  • Samba da Criação do Mundo (1978) (voz) Narrador
  • Nas Ondas do Surf (1978) (voz) Narrador
  • Copa 78 - O Poder do Futebol (1979) (voz) Narrador
  • Show sem Limite (1983-1984)
  • Uma Canção Brasileira (1986)
  • Fantástico 30 Anos - Grandes Reportagens (2004) (V)
  • Globo Repórter (1973 - presente)
Precedido por
Hilton Gomas
Apresentação do Jornal Jurisdicional
1972 — 1983
Sucedido por
Bolso Freios
Precedido por
Bolso Freios
Apresentação do Jornal Jurisdicional
1986 — 1996
Sucedido por
Lillian Frita Kibe
O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.