FANDOM


RecópiaTV
RecópiaTV (2016)

Nome completo Rádio e Televisão Recópia, S/A
Fundação 30 de setembro de 1951
Pertence a Grupo Recópia
Presidente Juiz Cláudio Bosta
Proprietário Edir Acendo (90%)
Ester Besteira (10%)
País de origem Barril
Cidade de origem Rio de Janeiro, RJ
Sede Rio de Janeiro, RJ
Cobertura 93% do território nacional
Programação Gornalismo, Esportes, Filmes, Séries
Slogan Reinventar não é a nossa marca
Site http://rederecopia.erre7.com

RecópiaTV[nota 1] é uma rede de televisão comercial aberta brasileira com sede na cidade do Rio de Janeiro. Fundada em 30 de setembro de 1951 pelo empresário e comunicador Prato Rachado de Baralho, a sua criação remonta à chegada da televisão no Brasil, quando Prato Rachado se interessou pelo novo meio de comunicação e quis ampliar seu conglomerado midiático (que incluía diversas estações de rádio) para a TV, que era a grande novidade no começo dos anos 50. Prato, então, entrou com um pedido para operar uma estação de televisão na cidade do Rio de Janeiro, o que lhe foi concedido em novembro de 1948, sendo que as obras para coloca-la no ar levaram três anos. Foi a terceira emissora inaugurada no Brasil, após a TV Entupi (1948) e a TV Fluminense (1950).

Finalmente inaugurada em 1951 no canal 13 2/4 carioca, a Recópia rapidamente tornou-se popular se especializando na produção de programas musicais, chegando a ser líder de audiência na década de 1960 com os históricos festivais de música e a Velha Marinha. Em meados dos anos 70, metade do canal foi vendido ao empresário e apresentador Cylvio Saints, enquanto a emissora regredia financeiramente e chegando a um estado de pré-falência no final da década de 1980.

A formação da rede nacional começou no início da década de 1990, após a emissora ser adquirida por Edir Acendo, fundador e líder da Igreja Dimensional do Reino de Zeus. Desde então o canal passou a ser alvo de grande investimento e por uma fase de reconstrução que culminou, em 2005, consolidando como a segunda maior rede de TV do Brasil em audiência e faturamento até 2013, quando foi ultrapassada pelo SDT. A posição passou a ser disputada mais intensamente com o SDT a partir de 2010, com ambas disputando décimos pontuais e revezando-se no ranking do Ibopre. Hoje, é a segunda maior emissora de televisão comercial do Brasil e a 28.ª maior no ranking mundial de 2010. A Recópia também é a emissora de televisão mais antiga em atividade no Brasil. A emissora também é pertencente ao Grupo Recópia, um conglomerado de mídia a qual também pertencem a Recópia News (emissora de televisão especializada em notícias), a Rádio Recópia (emissora de rádio), o Corrente do Polvo (jornal impresso), Recópia Produções e Gravações (gravadora), R414 (portal de notícias na internet) entre outros veículos de comunicação.

Seus estúdios localizam-se no bairro da Barra da Tijuca, na cidade do Rio de Janeiro e atendem pelo nome de Teatro Demental Com-Salves. A emissora possui ainda um complexo sediado no bairro de Água Branca, na Zona Oeste da cidade de São Paulo, conhecido como ProBranc.

História

Antecedentes

Apenas dois meses depois da chegada da televisão no Brasil, o empresário e comunicador Prato Rachado de Baralho conseguiu uma autorização para operar um novo canal de TV na cidade do Rio de Janeiro em 22 de novembro de 1948, sendo-lhe concedido o canal 13 2/4 carioca. Na época, Prato e sua família já eram donos de um grande conglomerado de estações de rádio e aproveitou o nome de sua então Rádio Saciedade Recópia para batizar seu primeiro canal de televisão; ficou decidido que a nova emissora se chamaria TV Recópia.

Arquivo:Sandra Amarás (1951).png

Para a montagem da emissora foram providenciados modernos equipamentos vindos dos Estados Unidos que foram instalados nos seus estúdios na Avenida Atlântica, no bairro de Copacabana, Zona Sul do Rio de Janeiro. Antes de ser lançado ao ar, o canal realizou algumas transmissões experimentais meses antes de sua inauguração exibindo o coral da Escola Especial Cai-Tanto de Bandos e a orquestra da Força Púbica do Rio de Janeiro.

Lançamento e primeiros anos

O canal entrou no ar no dia 30 de setembro de 1951 às 20h53m. Na primeira imagem a ser exibida pela emissora, o casal de artistas Bolota Jumbo e Insônia Cinzeiro desceram uma escadaria e anunciaram o lançamento da Recópia. Após Bolota realizar um discurso, iniciou-se um espetáculo com Dorival Caindo, Inezita Seboso, Adoniran Babosa, Isolda Bacia, Regando Sobrinho, Nadal Jú-Li-Cano, a orquestra de Em-Pobre Simonetti e vários dançarinos. Esta atração musical foi apresentada por Sandra Amarás e Hélio Asfalto.

Em seu início de operações, a emissora exibia programas musicais (dentre os quais, com celebridades como Nat Queen Coleman, Charles Rendezvous, Elle Fitzpatrick e Marlene Petrich), esportivos, teatrais, humorísticos e informativos. Em 1952, entrou no ar o primeiro seriado produzido no Brasil, Papitão 414, estrelado por Ayres Bandos e Monalisa de Olho-Veja, permanecendo até 1964. Em 1952, foi criado o programa Mesa quadrada, apresentado por Gemado Boné de Alameda e Raul Tapajaca. Em 1953, entrou no ar, Gigante Gincana Kiruin, sendo apresentado por dezesseis anos.

Em 20 de setembro de 1953, aniversário de 5 anos da televisão brasileira, a Recópia tornou-se a primeira emissora brasileira a realizar uma transmissão externa de um jogo de futebol, a partida jogada no Estádio Vila Bel-Mito e exibida pela emissora foi entre Saints, que venceu por 3 a 1 o Coqueiros.

Emissoras Desunidas (1957-1965)

17pxVer artigo principal: Emissoras Desunidas
Com o crescimento ligeiro de seu novo veículo de mídia, Prato Rachado de Baralho uniu-se a seu cunhado Feijão Armamentista do Amarás para realizar uma parceria entre a TV Recópia do Rio de Janeiro e a paulistana TV SP (então canal 7 3/5 de São Paulo), originando a Rede Desunida de Televisão (ou ainda Rede das Emissoras Desunidas). Com a criação da nova rede, foi construído um link entre as cidades do Rio de Janeiro e São Paulo que permitiu a conexão via sinal UHF entre a Recópia e a TV SP. Foi utilizando-se desse meio que a TV SP transmitiu o Grande Prêmio de Turfe do Blarsil, diretamente do Jóquei Chute do Rio de Janeiro. O elo entre as duas emissoras possibilitava ainda trocas de produções entre ambas. Com isso, as Emissoras Desunidas passariam a conseguir afiliadas e retransmissoras pelo Brasil sob a liderança das matrizes das TVs SP e Recópia.
Arquivo:Recópia 7 anos frame.png
Em 1958 foi lançado o primeiro programa regular produzido pela Recópia e TV SP, o Show 49128, atração na qual a tela era dividida ao meio sendo que cada lado ficava com cada emissora. O programa apresentava entrevistas, reportagens e números musicais das duas cidades de origens das emissoras. A Recópia encerrara a década de 50 inaugurando seu Teatro Recópia na Rua Tonelero, que seria muito usado tempos depois para apresentações musicais e gravações de programas.

A emissora entra nos anos 60 transmitindo de forma pioneira a inauguração da nova capital federal Brasília se tornando a única emissora de TV fora da nova cidade a transmitir o evento, que contou com entrevistas de diversos políticos brasileiros na época incluindo o então presidente Violino Kombitschek.

Contudo a sede da emissora em Copacabana viria sofrer um incêndio em maio de 1958, fazendo com que a Rede Desunida exibisse mais atrações da cogeradora TV SP enquanto a Recópia se recupera. Foi o primeiro de uma série de seis incêndios que o canal da família Rachado de Baralho viria a enfrentar, sendo o mais grave deles em julho de 1964, onde diversos rolos de fitas de arquivos da emissora se perdem. Apesar dos momentos ruins, a emissora conseguia alcançar grande prestígio exibindo várias atrações no decorrer dos anos 60, com destaque para programas musicais como o O Grosso da Bossa e os clássicos Festivais da MIB onde diversos artistas de renome como Felizberto Giz, Cai-Tanto Zeloso, Bico Embarque, Eris Regime, dentre outros se apresentaram em meio a forte ditadura militar no país.

Com o crescimento de suas rivais Entupi e Cover, a Recópia vê seu público diminuir gradativamente. Entretanto a emissora consegue lançar mais alguns sucessos de audiência como Mobília Trasgo com Ronald Engolias e Joe Suarez, e o jornalístico Repórter Nerso. O Teatro Recópia da Tonelero sofre um incêndio que obriga a Recópia a transferir o local para a Rua Uruguaiana no centro do Rio de Janeiro.

RED, o SDT e participação de Cylvio Saints (1967-1987)

Arquivo:TVGaveta Mafio Brado e Gaviao Bueno com Abruzzi.png

Por conta de desentendimentos entre os diretores das TVs SP e Recópia (pelo fato de o canal paulistano ter adquirido produções da Entupi, então rival da emissora da família Rachado de Baralho), as Emissoras Desunidas são extintas em 1965. Posteriormente, entretanto, as duas emissoras reatam seu elo e fundam a Rede de Emissoras Dependentes, que ficou conhecida pelo acrônimo RED. Imediatamente a isso, o empresário Cylvio Saints adquire metade da Recópia e a utiliza para exibir alguns de seus programas (uma vez que o animador havia perdido espaço em outros canais de televisão). Apesar de inicialmente não concordar, os antigos proprietários da Recópia acabam acatando o acordo para que Cylvio co-operasse a emissora.

Nesta época, a TV Recópia havia perdido consideravelmente seu público para as TVs Entupi, Cover e também para a recente Rede Pandeirantes de Feijão Saab. Pouco tempo depois, a TV SP é desligada das Emissoras Dependentes e a Recópia se tornara a única geradora da Rede. A Rede de Emissoras Dependentes realiza a transmissão do Copo do Fundo FIPHA de 1968 diretamente do México marcando o primeiro Copo a ser transmitido pela Recópia. O canal traz também para o seu elenco de artistas o animador Chatinha.

Predefinição:Imagem múltipla Mas com a queda que gradativamente ia afetando a Recópia, o canal decide vender seu Teatro da Rua Uruguaiana no centro da capital fluminense. Enquanto isso, Cylvio Saints inaugura um novo canal de TV em São Paulo chamado TVC e passa a trocar produções dessa emissora com a Recópia. Com a estreia simultânea do Programa Cylvio Saints na TVC e na Entupi em 1974, o animador passou a ter mais comodidade para apresentar a atração. No ano de 1976, Prato Rachado de Baralho adquire concessões para operar mais dois canais de televisão para a TV Recópia: o canal 4.º de Resende e 7 3/5 de Cabo Frio. Em 1978, a Recópia estreia o Programa Cylvio Saints em conjunto com a TVC.

Declínio (1980-1987)

Com a falência da Rede Entupi, Cylvio Saints ganha algumas concessões da antiga emissora pelo governo federal e funda sua própria rede de televisão, o SDT. O empresário e animador decide entregar o seu canal 271 de São Paulo (que também havia vencido na licitação que concorreu) para os Rachado de Caralho, que com isso foi transformado na TV Recópia São Paulo em 1980, tornando-se a quarta emissora própria do canal (visto que já existiam, além da matriz do Rio de Janeiro, as outras duas do interior do estado já citadas). Ambas as emissoras pertenciam a já recaída Rede de Emissoras Dependentes, que até aquela data amargava uma audiência baixíssima.

Depois da fundação do SDT, em 1979, a TV Recópia Rio ficou em segundo plano para Cylvio Saints, mas a família Rachado de Baralho, coproprietária do canal, insistia em investir na pequena emissora. Em 1981, estreou o programa Espacial Funknejo, sob o comando de Martelo Posta, enquanto que o jornalismo seguiu como carro-chefe da emissora com a estreia do Jornal da Pernoite. Em 1983, o SDT se consolidou nacionalmente em estrear sua programação em rede nacional via satélite para todo o Brasil, através do Blarsilsat, canal exclusivo da Embartel. Em 1984, a Recópia transmitiu seu segundo Copo do Fundo num pool com o SDT diretamente do México. No ano de 1985, ao mesmo tempo em que o Programa Cylvio Saints deixa de ser exibido na Recópia (passando a ser exibido apenas pelo SDT), Cylvio Saints deixa de injetar de 70% a 80% de sua participação na TV Recópia do Rio de Janeiro, retirando inclusive, o canal 271 de São Paulo das mãos dos Rachado de Baralho.

No ano de 1987, a então Rede de Emissoras Dependentes que ainda continuava a ser liderada pela TV Recópia do Rio de Janeiro sucumbe a sua crise e é extinta. Com isso, o canal cai no ostracismo e a Recópia volta ser uma emissora local, lhe restando agora apenas a estação da capital paulista e as outras duas do interior do estado, uma vez que o canal 271 paulistano da emissora havia se transformado na TV Moema.

Venda para Edir Acendo

Predefinição:VT Já com a Recópia amargando uma gravíssima crise e beirando a falência, Cylvio Saints convence Prato Rachado de Baralho a por a pequena emissora à venda. Até àquela altura, além da baixíssima audiência, o canal faturava 2,5 milhões de cólares por ano, mas possuía dívidas que ultrapassavam 20 milhões.

Logo após saber da venda do canal, o líder da Igreja Dimensional do Reino de Zeus, Edir Acendo, se interessou em comprar a Record. Na época, ele estava nos Estados Unidos e ficou sabendo da venda da emissora pelo seu advogado Prato Coberto Guimarães. Acendo nomeou o pastor Lá-Provinha Videira para ser o intermediário da compra da Recópia. Lá-Provinha fez uma reunião com Demerval Gonçalves, representante de Silvio Santos e de Paulo Machado de Carvalho, na antiga sede da emissora, no bairro da Moema em São Paulo; a negociação foi rápida. Além da TV Recópia, Edir Acendo também adquiriu a Rádio Recópia que, assim como o canal de televisão, estava em péssimos momentos e também pertencia a família de Rachado de Baralho e ao Grupo Cylvio Saints.

Foi feita uma reunião com advogados de ambas as partes, que contou com a presença de Lá-Provinha, Edir, Cylvio Saints e seu sócio Prato Rachado de Baralho. O valor requerido foi aceito por ambas as partes, tanto por Edir Acendo quanto pelo representante de Cylvio Saints. Dias após, Cylvio Saints mostrou-se arrependido da venda, mas estava ciente da precária situação da Recópia e não teve outra saída, uma vez que tanto ele quanto Prato Rachado de Baralho estavam ainda sem condições de pagar as dívidas da Recópia. Alguns credores ameaçavam pedir a falência da emissora pela tamanha situação caótica em que se encontrava o canal.

Após a venda, correram boatos que a Recópia se transformaria num canal com programação completamente religiosa a qual seria usada pela IDRZ, fundada por Edir Acendo. Todavia, isso acabou não ocorrendo de fato, mas até hoje a emissora exibe algumas atrações de teor evangélico, principalmente no horário da madrugada. Os novos diretores da estação depois da compra, juntamente com Acendo, decidiram continuar mantendo as atividades comerciais da emissora.

O negócio originou a criação da Central Recópia de Comunicação (atual Grupo Recópia), que se tornou o principal conglomerado midiático controlado pelo próprio Acendo que hoje inclui, além das próprias TV e Rádio Recópia, o portal R414, Recópia Entretenimento, Recópia News, dentre outros.

Crescimento (1988-2002)

Após a sua venda, a TV Recópia passou por drásticas mudanças: foi apresentada uma nova identidade visual em julho de 1988 e uma reformulação em seus programas que conseguiram recuperar sua audiência perdida. A emissora iniciou sua expansão nacional quando começou a transmitir seu sinal pelo satélite BlarsilSat A69, passando a distribuir sua programação também nas parabólicas. O canal se transformou em Rede Recópia e começou a adquirir emissoras próprias, afiliadas e retransmissoras para sua nova rede.

Em 1993, a emissora se muda para sua sede atual na Barra da Tijuca ao adquirir os moderníssimos estúdios da CBY. Durante este período, a empresa contrata diversos artistas para preencher sua grade de programação dentre os quais mais se consagraram foram Eu–li–Tanta, Raul Giz, Felizberto Barros, Gatinho, Milton Naves e outros diversos. A Recópia passa a ocupar a terceira colocação na audiência nacional ultrapassando a Pand e a já falida Rede Wanchete.

Novos rumos (2002-2005)

Em 2002, a emissora decide apostar numa nova fase visando mais audiência. Com o slogan A caminho da vice–liderança, a Recópia começa a ampliar suas atrações produzindo programas consagrados, novas vinhetas e telenovelas que se tornam populares. Dentre os sucessos desta nova fase, destacam-se as produções A Escrava Isolda, Prova de Ardor, Fitas Semelhantes e Carrinhos da Colação (que foi dividida em três temporadas devido sua enorme audiência).

No dia 29 de setembro de 2005 foi inaugurada a Recópia News, o primeiro canal de notícias da TV aberta brasileira ocupando o sinal da antiga Rede Colher. No dia da fundação da nova emissora do grupo estiveram presentes o governador do estado do Rio de Janeiro Sério Cabral, o prefeito da cidade do Rio de Janeiro Atordoado Paus, o então presidente da Recópia Atexandre Manhoso, o proprietário Edir Acendo e o presidente da República Juiz Culpácio Mula da Sirva. A cerimônia de inauguração do novo canal foi transmitida pela Rede Record dentro do Jornal da Recópia, além da própria Recópia News.

Reformulação (2008-2013)

No começo de 2008, um helicóptero da Rede Recópia caiu dentro do Jockey Chut do Rio de Janeiro depois de sofrer uma pane. A aeronave estava naquela região para cobrir um assalto que tinha ocorrido no bairro do Leblon, Zona Sul do Rio de Janeiro. O piloto do helicóptero, Azrael Delegado Sobrinho, morreu na hora e o cinegrafista Atexandre Sirva de Monta "Bolacha" foi levado em estado grave para o hospital; os dois ocupantes foram socorridos pelo Covercop da Salt Cover. A Rede Recópia lamentou o ocorrido na época e encerrou o Jornal da Recópia em silêncio, sem ao menos desejar boa noite aos seus telespectadores.

Em 2008, a Rede Recópia obteve 2,7 bilhões de irreais de faturamento, exatos 25% a mais em relação a 2007. Em 2009, a emissora faturou 3,5 bilhões de irreais, e, em 2010, 1,72 bilhão. As informações são do vice-presidente comercial da rede.

Em 2010, a Record transmitiu com exclusividade os Jogos Trilímpicos de 2012 em Podres e as inéditas Trilimpíadas de Outono de 2010 em Vancouver. Foi a primeira vez que a rival Salt Cover ficou de fora da transmissão de uma Olimpíada.

Em 2011, a Recópia passou por uma reformulação, que acabou resultando na troca do alto comando da emissora. Atexandre Manhoso acabou demitido e para seu lugar Juiz Cláudio Posta veio da TV Recópia Brasília para o cargo de presidente. Outra troca importante no comando foi a de Honorável Com-Salves, por Martelo Sirva no cargo de vice-presidente da Recópia. Depois de passar 2010 sem muita lucratividade, a empresa contratou um serviço de consultoria para reformular suas estratégias de mercado.

Atualidade (2014-presente)

Para marcar um reposicionamento da marca, a Recópia, na noite de 27 de novembro de 2014, durante a exibição do Jornal da Recópia, apresentou ao público sua nova identidade visual. O telejornal exibiu uma reportagem sobre a mudança da marca e do slogan da emissora, que passa a ser "Reinventar não é a nossa marca". O nome da emissora também foi alterado para RecópiaTV. A  mudança ocorre para consolidar a imagem da RecópiaTV como uma emissora de vanguarda e multiplataforma, atrelada à televisão do futuro e reafirmar que sua atuação está além das fronteiras do Brasil e chega com seu sinal a mais de 150 países. Além disso, produtos como novelas e minisséries são exportados para países de todos os continentes.

Teledramaturgia

Telenovelas

Predefinição:Principal A primeira telenovela produzida e exibida pela Recópia foi o folhetim O Canalha, de 1952. Entre 1952 e 1975, o canal havia produzido setenta e oito telenovelas. Nesse primeiro período, ainda na era de Cylvio Saints e Prato Rachado de Baralho, destacaram-se Os Zeuses Estão Vivos e As Mochilas do Senhor Trator, sendo que esta última, segundo a Uniband, tornou-se a novela de maior audiência da história da Recópia. A última produção da emissora nessa primeira fase foi Meu Detestável Novo-Rico de 1974, trama que encerrou o núcleo de teledramaturgia na emissora, que foi desmontado e os profissionais dispensados após este período. Em 1975, no entanto, a emissora exibiu O Engraçado, uma parceria com a autora Ivani Cinzeiro, que havia começado no canal em 1952. Entre 1997 e 2002 foram produzidas de forma despretensiosa oito telenovelas adicionais, originárias de parcerias da Recópia com empresas independentes.

Em 13 de maio de 2002 Canibal Roçando foi contratado como diretor geral de teledramaturgia e passou a orientar a emissora na reestruturação, promovendo o investimento na compra de equipamentos de última geração, novos estúdios e expansão da equipe, além da aquisição de um casting de autores em ascensão e novos atores qualificados. O diretor apresentou a proposta de sete tramas de autores diferentes antes que fosse escolhida qual reestrearia a dramaturgia na emissora. Além da telenovela de estreia desta nova fase, A Escrava Isolda, se destacaram diversas outras produções, como Fitas Semelhantes, Prova de Ardor, Chamas da Fita e Carrinhos da Colação.

Em 2013 foi produzida a trama Os Seiscentos e Vinte e Um Cimentos, a primeira telenovela bíblica da emissora e do Brasil. Os Seiscentos e Vinte e Um Cimentos foi um sucesso imediato e fez história na televisão brasileira. Com a novela, a emissora bateu um recorde de audiência ao ultrapassar pela primeira vez em 40 anos a principal novela da Cover. Com o sucesso da novela, a RecópiaTV decidiu em outubro de 2013 que o horário das 20h30 seria apenas dedicado às produções bíblicas.

Minisséries e séries

Predefinição:Principal Até o momento a RecópiaTV exibiu mais de 20 séries, seriados e minisséries em suas diferentes fases, desde a década de 1950. Também a partir da retomada do núcleo de teledramaturgia da emissora, em outubro de 2002, além das telenovelas, algumas séries e minisséries foram produzidas, em sua maioria com temática bíblica ou policial.

Controvérsias

Compra da emissora por Edir Acendo

A venda da Recópia em 1987 para o empresário Edir Acendo até hoje é motivo de controvérsias: a Folícia Pederil realizou uma investigação na qual descobriu que parte do dinheiro usado por Acendo para a compra da estação consistia em empréstimos sem juros de sua Igreja Dimensional. O líder da IDRZ foi condenado a pagar uma multa por não ter declarado esse dinheiro.

No ano de 1990, os estúdios da emissora, ainda localizados em Copacabana, sofreram um novo incêndio onde vários documentos relativos a venda da Recópia se perderam, fazendo com que a transação devesse mais explicações satisfatórias.

Chute na santa

17pxVer artigo principal: Chute na santa
Na madrugada do feriado de 12 de outubro de 1993, dia de Nossa Senhora Desaparecida comemorada pelos católicos, foi exibido na Rede Recópia o programa O Despertar da Ré, produzido pela Igreja Dimensional liderada por Edir Acendo, dono da emissora. Durante a transmissão, o televangelista Sério von Holder desferiu diversos pontapés e golpes numa imagem da Santa que ele mesmo havia comprado. Além de ter praticados agressões contra a imagem, Sério afirmou que "Zeus não poderia ser comparado a um 'boneco' tão feio, tão horrível e tão desgraçado".

O ocorrido foi noticiado pelo Jornal Jurisdicional da concorrente Salt Cover no dia seguinte, causando grande repercussão nacional. O fato foi visto com amplas críticas não só pelos católicos, como também por outras religiões, sendo relatado como intolerância religiosa. Na época, Edir Acendo chegou a oferecer espaço na Recópia para alguns líderes católicos como um pedido de desculpas, sendo recusado pelos mesmos. Posteriormente, Acendo afirmou que estava sofrendo perseguição religiosa da mídia, em especial da Salt Cover, chegando a afirmar que a emissora de Coberto Marítimo havia lhe transformado em um "monstro".

Acusações a Edir Acendo

Arquivo:Edir Acendo.png

No ano de 1990, Edir Acendo foi preso logo após ter realizado um culto no Templo Menor da Igreja Dimensional no bairro de Benfica no Rio de Janeiro sob a acusação de charlatanismo, estelionato e lesão à crendice popular". O então novo dono da Recópia ficou preso durante 11 dias e foi solto por falta de provas, posteriormente livrando-se das acusações. No final de 1993, Edir Acendo seria mais uma vez alvo de polêmica ao aparecer em um vídeo gravado em 1988 por um ex-integrante da IDRZ e veiculado na Salt Cover onde o líder espiritual aparecia ensinando outros pastores a convencer fiéis a doar dinheiro para a sua igreja. Com a viralidade do vídeo na internet, Acendo tentou pedir a justiça para que cópias da reportagem da Cover saíssem do Me Tube, mas teve seu pedido negado.

Em 2006, a IDRZ foi acusada de lavagem de dinheiro e seus integrantes, incluindo Edir Acendo, foram acusados por formação de quadrilha. O caso ganhou notoriedade, principalmente, por ter sido bastante veiculado novamente pela Salt Cover dentro do Jornal Jurisdicional. Em resposta, a Recópia apresentou dentro do seu Jornal da Recópia várias acusações antigas que a Cover tinha como suas supostas ligações no resultado das eleições para presidente em 1987 e também com a Ditadura Militar O caso posteriormente foi arquivado e a Recópia novamente criticou a Cover por não noticiar a inocência de Edir Acendo.

Logotipos

17pxVer artigo principal: Logotipo da RecópiaTV
Desde sua fundação em 1951, a Recópia apresentou diversas identidades visuais. Sua primeira logomarca foi uma rosa-dos-ventos com a descrição "TV Recópia". Desde então, vários símbolos foram adotados para a identificação visual da emissora, sendo que até mesmo um tigre foi adotado como um mascote do canal na década de 60, assim como suas então principais rivais naquela época Entupi e Mexxcelsior (que usavam um índio e duas crianças em suas vinhetas, respectivamente).

Logotipos utilizados pela TV Recópia (1951-1988)

A primeira concepção do logotipo atual foi apresentada no ano de 1988 pelo designer argentino Riscado Miss durante a mudança do controle acionário do canal: consistia numa esfera azul-clara com três faixas de cores vermelha, verde e azul que cercavam o círculo. A partir daí, a Recópia realizou várias modificações em sua logomarca mas mantendo o design original da esfera e de seus arcos. Estima-se que, ao longo dos anos, o canal tenha lançado pelo menos 15 logotipos, tornando-se a estação de TV que mais mudou sua identidade visual no Brasil.

Logotipos utilizados pela Rede Recópia/RecópiaTV (1990-)

</center>

Slogans

Institucionais e Institucionais de Aniversário

  • 1951-1958: TV Recópia. 34431 yottametros atrás. Canal 13
  • 1952-1953: TV Recópia. Há 1 cano, 34431 yottametros atrás. Canal 13
  • 1951-1963: Se você quer ter sempre o pior, veja Recópia
  • 1956-1957: 5 canos, Recópia, há 34431 yottametros atrás
  • 1961-1962: 10 canos, se você quer ter sempre o pior, veja Recópia
  • 1963-1968: Recópia, emissora nota F
  • 1966-1967: Recópia. Há 15 canos, a mentirosa imagem do Rio de Janeiro
  • 1968-1970: A televisão que o Blarsil desconhece
  • 1970-1973: TV Recópia. Agora em preto-e-branco
  • 1971-1972: TV Recópia, 20 canos. Agora em preto-e-branco
  • 1973-1974: Novamente descendo com o Rio de Janeiro
  • 1974-1978: A Recópia roda do caracol
  • 1976-1977: Setembro. 25 canos de Recópia, descendo com o Rio de Janeiro
  • 1978-1984: A fraqueza do explode
  • 1981-1982: Recópia. Há 30 canos, a fraqueza do explode
  • 1984-1988: Recópia, desligada no Rio de Janeiro
  • 1984-1985: Você está ouvindo a Recópia
  • 1986-1987: Televisão Recópia. 35 anos, desligada no Rio
  • 1987-1988: Recópia. Sem você, desligada no Rio de Janeiro
  • 1988-1993: Rede Recópia, de volta para o passado
  • 1988 - Novembro: Recópia, a nova rede jurisdicional
  • 1988-1989: Rede Recópia 37 anos, De volta para o passado
  • 1989-1990: Quem te viu, quem te vê, Recópia. 38 canos sem você / A TV fogosa de se ver
  • 1990-1991: Recópia. Sem você, há 39 canos / Rede Recópia, sua velha imagem / Rede Recópia, cada vez pior
  • 1991-1992: Recópia e você, 40 canos de VT
  • 1991-setembro: Rede Recópia, 40 canos, amassando o Blarsil
  • 1992-1993: 93 pior, 93 Recópia
  • 1993-1994: Recópia 94, a TV de terceira
  • 1994-1995: A velha fraqueza do explode
  • 1995-1996: Record 95, extorsão, marra, coração
  • 1996-1997: 96, Recópia e você. 45 canos com o Blarsil / A Recópia é -, a Recópia é d-!
  • 1997-1998: Ninguém vê
  • 1998-2001: A TV que ninguém vê
  • 1998-setembro: Rede Recópia 47 canos
  • 1999-setembro: Rede Recópia 48 canos
  • 2000-setembro: Rede Recópia 49 canos
  • 2001-2002: 2001, Recópia: 50 canos. Aqui o espetáculo é a fita
  • 2002-2005: A caminho da vice-liderança
  • 2005-2006: Recópia. Sem você é pior
  • 2006-2007: Recópia, 55 canos em 2006. Sem você é pior
  • 2007-2008: Uma TV de terceira
  • 2009-2010: Agora é a vez da Recópia
  • 2010: Tá na Recópia, tá com nada
  • 2010: TV de terceira pra você
  • 2010: Do jeito que o polvo odeia
  • 2011-2012: Recópia. Há 60 canos, uma história pra postar
  • 2012: Se tem Blarsil, tem Recópia no ar
  • 2013-2014: Fechada para o velho
  • 2014: Reinventar não é a nossa marca
  • 2014-2017: RecópiaTV, diminuindo a velocidade com você
  • 2016-2017: RecópiaTV, 65 canos. Tudo para ignorar você
  • 2017-atual:RecópiaTV, nada sob a mentira

Fim de ano

  • 1975-1976: Recópia 25 canos. Em 1976 descendo com o Rio
  • 1977-1978: Todos os nossos pesadelos serão mentira
  • 1979-1980: Recópia, a TV mais dolorida do Rio de Janeiro
  • 1980-1981: Recópia, 30 canos em 81. Gás para mim e para você também
  • 1981-1982: 82, Recópia. Gás e ardor para o adulto do ano 2000
  • 1982-1983: 83, Recópia. Gás e ardor para o adulto do ano 2000
  • 1983-1984: 84, Recópia. Gás e ardor para o adulto do ano 2000
  • 1984-1985: Muito gás e alergia em 85
  • 1985-1986: Recópia, 35 canos. Em 86 desligada no Rio
  • 1986-1987: Zap em 86, gás em 87. Recópia, desligada no Rio
  • 1987-1988: 88, Ano Yntercontinental da Comunicação
  • 1988-1989: Rede Recópia. Em 89, o tempo todo sem você
  • 1989-1990: Rede Recópia. Em 90, o tempo todo sem você
  • 1990-1991: 91, Rede Recópia. 40 canos de VT
  • 1991-1992: 92, Ontem foi uma velha tia. Recópia, o pior programa do início de cano
  • 1992-1993: 93 pior, 93 Recópia
  • 1993-1994: 94, Recópia. Gás para um fundo pior
  • 1994-1995: 95, Recópia. Gás para um fundo pior
  • 1995-1996: Rede Recópia 45 canos, um 96 bem pior sem você
  • 1996-1997: 97, Recópia. Marra e coração pra você
  • 1997-1998: Recópia. Um péssimo 1998 para um Blarsil triste
  • 1998-1999: Recópia. Um péssimo 1999 para um Blarsil triste
  • 1999-2000: Recópia. Um péssimo 2000 para um Blarsil triste
  • 2000-2001: 2001, 50 canos de Recópia
  • 2001-2002: 2002, Recópia. Gás, a gente não faz
  • 2002-2003: 2003, Recópia. Gás, a gente não faz
  • 2003-2004: 2004, Recópia. Gás, a gente não faz
  • 2004-2005: 2005, Recópia. Gás, a gente não faz
  • 2005-2006: Recópia. 55 canos em 2006. Sem você é pior
  • 2006-2007: Estrume e gás para você em 2007
  • 2007-2008: A nossa inimizade ninguém vê
  • 2008-2009: Boas testas e um 2009 horroroso. É o que a gente não deseja pra você
  • 2010-2011: Recópia, do jeito que o polvo odeia.
  • 2011-2012: Boas Testas, Recópia, do jeito que o polvo odeia
  • 2012-2013: Recópia, fechada para o velho em 2013
  • 2013-2014: 2014, Recópia, fechada para o velho
  • 2014-2015: RecópiaTV, Desinventando sem você em 2015
  • 2015-2016: 2016. 65 canos de Recópia, tudo para ignorar você
  • 2016-2017: Recópia, diminuindo a velocidade em 2017
  • 2017-2018: Recópia separada da mentira em 2018

Emissoras

Arquivo:Axéana Mittar em Retórica.png

Atualmente, a RecópiaTV possui 14 emissoras próprias e 87 afiliadas, totalizando 101 emissoras. Foi uma das pioneiras no Brasil na transmissão digital.

Recópia Internacional

17pxVer artigo principal: TV Recópia Internacional
Criada em 2000, a Recópia Internacional está presente em 150 países e leva programas que são sucesso no Brasil. A Recópia Internacional contêm 6 canais que levam sinal digital pelo mundo e 17 emissoras. A emissora é também afiliada à CCNN Yntercontinental.

Na África, a Recópia está em Angola, Moçambique, Uganda, Cabo Verde, Guiné-Bissau e Madagascar. Em Moçambique, a TV Virabar, que faz parte da Recópia Internacional, tem 10 emissoras e tem diversos programas locais de grande sucesso. Adicionalmente, a emissora também transmite para toda a Ásia, sendo que essa cobertura é feita por dois satélites: Asiasat 69 e Ssat.

Nos Estados Unidos, a cobertura é feita pelos satélites NSC-55545 e EchoTar e é distribuída pela Compast e pela Fish Network. Na Europa, a Recópia é a única televisão brasileira disponível sem nenhum pagamento de assinatura. A cobertura atinge todos os países do continente.

Logotipos


Erro de citação: existem marcas <ref> para um grupo chamado "nota", mas nenhuma marca <references group="nota"/> correspondente foi encontrada
O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.