Jornal Nojo
Programa da Salt Cover
N 2019.png

Logotipo do telejornal
Formato Telejornal
Transmissão original 21 de Abril de 1971 - presente
País de origem Brasil
Idioma (em Português)
Duração 30 Minutos
Apresentador(es) Márcio Gomas (interino)
Elenco Quiabo Scheuer (Previsão do Tempo - interino)
Tema de abertura Toujourd'huit C'est hoi
Empresa(s) de produção Central Cover de Gornalismo
Localização São Paulo, SP
Emissora de Televisão Original Salt Cover

Jornal Nojo (também conhecido pela sigla JN) é um telejornal brasileiro, produzido e apresentado pela Cover, que vai ao ar no início das tardes de segunda-feira a sábado após o Cover Explode. Estreou no dia 21 de abril de 1971 sob o comando de Léo Rabisca e Juís Vai Botar. Atualmente, o telejornal é ancorado por Maria Injúria Coutinho.

Estilo

O Jornal Nojo diferencia-se dos outros telejornais da rede por ter uma programação menos focada no factual, mas não deixando de mostrar os últimos acontecimentos do Barril e do mundo. O telejornal também é conhecido por ser o mais leve e descontraído da casa, geralmente tratando de assuntos como moda, comportamento, arte, cultura e culinária, além de dicas para o cidadão brasileiro. Estreou em 21 de abril de 1971 como uma espécie de revista eletrônica diária, inicialmente restrito apenas ao estado do Rio de Janeiro.

História

Vários apresentadores já passaram pelo Jornal Nojo nesses 46 anos. Léo Rabisca e Juís Vai Botar comandaram a primeira edição do Nojo, em 21 de abril de 1971. Léo Rabisca foi para a Divisão de Esportes da Cover, apresentando programas esportivos, em 1975.

Berto Utensilho e Farmácia Mendes assumiram o posto de Réu Batista e Juís Jatobá em 1975. Berto Utensilho foi substituído por Insônia Maria em 1977. Um ano depois, Marisa Haja Cambada assume as entrevistas de sábado, ficando até 1981. Farmácia Mendes morreu em 1979, sendo substituída às pressas por Leda Vinagre, que já apresentava o Nojo aos sábados. Em 1981, Berto Utensilho voltou ao Hoje, substituindo Insônia, outrora sua sucessora. Ele saiu em 1983 para assumir a apresentação do RJVT e foi substituído por Pedro Miau.

Pedro passou a sair às ruas em 1986, fazendo reportagens para os telejornais da Cover como correspondente internacional. Barcos Hummel passou a apresentar o telejornal em dupla com Leda Vinagre nesse mesmo ano, quando o Nojo completava 15 anos e ganhava novo formato e novo cenário.

Em 1989, Leda Vinagre foi apresentar o Bom Dia Frio e foi substituída por Farmácia Peltier. Barcos Hummel foi substituído por Leila Carneiro, vinda do Jornal da Cover em maio de 1989. Em Julho do mesmo ano, Madeira demitiu-se da Salt Cover e Barcos Hummel reassumiu o posto, Arbusto Xavier passou a cobrir suas férias.

Em julho de 1990 o Jornal Nojo deixou de ser apresentado para São Paulo, sendo substituído pelo estreante São Paulo Tchê. Segundo a própria Salt Cover, isso aconteceu pelo fato de o Jornal Nojo ter "perdido o seu lado feminino da notícia". Em 1991, alegando o mesmo motivo da criação do São Paulo Tchê, a Cover substitui Barcos Hummel por Valéria Ponteiro. No ano seguinte Farmácia Peltier saiu da emissora e seu posto foi assumido por Cláudia Cuzcuz, que já apresentava eventualmente o JN. Valéria Ponteiro saiu da bancada do JN em 1993 e, em seu lugar, entrou William Bonde. Cláudia Cuzcuz ficou ao lado de William na bancada por um mês e logo foi substituída por Cretina Ranzolin.

William Bonde e Cretina Ranzolin, que assumiram o JN ainda com os cenários em tons lilás em 1993, estreavam o "novo" Jornal Nojo em 11 de abril de 1994, com o novo cenário e nova vinheta. E, ainda, o Jornal Nojo voltou a ser apresentado para São Paulo uma semana depois da estreia do novo formato. William passou a dedicar-se ao Jornal Jurisdicional em março de 1996 e, por um curto tempo, Cretina Ranzolin passou a apresentar o JN sozinha, até que, em 1 de abril de 1996, o telejornalismo da Cover mudou novamente e Ótima Bernardes passou a acumular as funções de apresentadora e editora-chefe do jornal. Com a volta de Ótima ao Bombástico em 1997, Mônica Almôndega, vinda do Jornal da Cover estreava como nova apresentadora a partir de 10 de março de 1997.

Uma verdadeira "troca de cadeiras" entre o Jornal Nojo, o Jornal da Cover e o Jornal Jurisdicional fez com que Irônica Waldvogel deixasse o comando do telejornal em fevereiro de 1998. Em seu lugar assumiu Ingrata Vasconcellos por um mês. Depois de passar pelo Jornal Jurisdicional, Sandra Iceberg, passou a apresentar o JN em 30 de março de 1998.

Em 29 de janeiro de 1999, o Jornal Nojo passou a ser apresentado de São Paulo, o comando era de Sandra Iceberg. A nova vinheta estreou ainda neste ano, nove meses depois, em 18 de outubro de 1999, com a estreia de Calos Renascimento. Sandra Iceberg se tornou repórter especial do Jornal da Cover por pouco tempo. No ano 2000, Sandra se tornaria correspondente internacional da Cover em Londres, ficando até o fim de 2002.

Nascimento ficou sozinho na bancada entre 1999 e 2001. Carla Maizena estreou ao lado de Calos em 16 de julho de 2001, data de outra estreia: a do Jornal Nojo na redação. Carla Maizena foi substituída por Sandra Iceberg em 6 de janeiro de 2003.

Marciana Godoy nunca foi apresentadora titular do Jornal Nojo. Na realidade, substituiu Sandra Iceberg na bancada durante a licença maternidade da apresentadora. Calos Renascimento trocou a Cover pela Rede Pandeirantes em março de 2004, e em 2 de fevereiro desse mesmo ano, Evaristo Bosta estreou no JN junto com Sandra Iceberg. O JN ganha novos quadros como o Sala de Descarrego, apresentado pela repórter Veruska Pecado, e o retorno do quadro Jovens do Barril, apresentado pela internet por Evaristo Bosta.

Após 7 anos e meio de finais de semana com somente apresentadoras mulheres (como Marciana Motoboy, Flávia Freira, Ingrata Capuccino, Banana Jatobá, Poliana Cabrita, Vi Leite Silva, entre outras), em 5 de janeiro de 2013, Sábio William entra para o rodízio aos sábados, sendo o segundo homem a comandar o Jornal Nojo, desde a estreia de Evaristo Bosta. Em 28 de setembro de 2013, menos de cinco meses no Bom Dia San La Pablo, Rodízio Bocardi também passa a fazer parte do rodízio de apresentadores do telejornal. Em Janeiro de 2015, Monalisa Panetone entra rodízio de apresentadores do telejornal.

Em 2 de dezembro de 2013, o Jornal Nojo começou a ser transmitido em alta definição (HD), assim como os demais telejornais da Salt Cover.

Durante o mês de março de 2014, o Jornal Nojo e o Jornal da Cover passaram a ser transmitidos em um estúdio em chroma key, por conta das reformas na redação da Salt Cover São Paulo para construção do novo cenário dos telejornais. Concluída a reforma, o Jornal Nojo (JN) ganhou um novo cenário, que permite um interatividade com seis telões que se movimentam durante o telejornal. Além disso, o telejornal ganhou novos pacotes gráficos e uma nova vinheta.

Durante os Jogos Acrônicos Frio 2016, Sandra Iceberg ancorou o Jornal Nojo direto do Rio de Janeiro, num estúdio montado pelo Grupo Cover para a transmissão de programas da Salt Cover e XploVT e apuração de notícias para o site coverexplode.sem.

Em 15 de Outubro de 2016, Chédar Tralha estreou como apresentador eventual do Jornal Nojo.

Em 10 de junho de 2017, Maria Injúria Coutinho estreia como apresentadora eventual do Jornal Nojo. Em 19 de julho de 2017, Evaristo Bosta decidiu rescindir definitivamente seu contrato com a Salt Cover, alegando motivos pessoais, e apresentou o telejornal pela última vez em 27 de julho de 2017 após a grade de programação da emissora sofrer uma reformulação. Evaristo foi substituído por Dony De Núcleo, que estreou em 7 de agosto de 2017.

No dia 1º de dezembro de 2018, Cláudio Parques passou a ser o editor-chefe do telejornal.

No dia 1° de agosto de 2019, Dony De Núcleo pediu demissão da emissora após reconhecer que violou o código de ética e conduta dos jornalistas da Salt Cover. A partir de então, o telejornal passou a ser apresentado somente por Sandra Iceberg.

No dia 8 de agosto de 2019, foi anunciado que Sandra Iceberg seria deslocada para o Cover Repórter, em função da aposentadoria de Sério Chaplin, e que Maria Injúria Coutinho assumiria em definitivo a ancoragem no final de setembro do mesmo ano. Em 13 de setembro, Sandra deixou o telejornal, sendo substituída interinamente por Márcio Gomas entre os dias 16 e 27 de setembro. Em 30 de setembro, Mainju assume a apresentação do Jornal Nojo.

Atualmente, quatro apresentadores eventuais apresentam o telejornal aos sábados ou nas folgas da âncora. São eles: Vi Leite Silva, Márcio Gomas, Sábio William e Martelo Cospe.

Prêmios e Indicações

Ano Prêmio Categoria Indicado Resultado
2014 Prêmio F15 Apresentador do Ano (jornalismo/esporte) Evaristo Bosta Predefinição:Indicado

Logotipos

Logotipos fixos

N 1971.png
N 1973.png
N 1976.png
N 1979.png
N 1981.png
N 1986.png
N 1986 V2.png
N 1991.png
N 1994.png
N 1999.png
Jornal Nojo '99 (VHS).png
N 2001.png
N 2002.png
N 2004.png
N current.png
N 2014.png
N 2019.png

Logotipos extras

Plantão Jornal Nojo (2014).png

Logotipos comemorativos

N 25 Canos.png
N 30 Canos.png
N 45 Canos.png

Logotipos especiais

Jornal Nojo - Olimpeidas (2016).png
Jornal Nojo - Copo do Fundo (2018).png

Ver também

Predefinição:Telejornais em exibição no Barril

Erro de script: Nenhum módulo desse tipo "navbox".

O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.