Predefinição:Título em itálico

Escrava Isolda
Escrava Isolda (1976).png
Logotipo da novela.
Informação geral
Formato Telenovela
Gênero Drama
Romance
Duração 40 minutos
Criador(es) Felizberto Briga
País de origem Predefinição:BRA
Idioma original Português
Produção
Dire(c)tor(es) Canibal Roçando e Chilton Enclaves
Elenco Ofélia Quantos
Nuvens de Palco
Ludwig Luigi
Ré Bacia
Felizberto Marítimo
Karma Blue
Coberto Mirtilo
Ótica Irônico
Bário Seboso
ver mais
Tema de abertura "Estirantes", Capital Artrite
Exibição
Emissora de
televisão original
Predefinição:BRAb Salt Cover
Transmissão original 11 de outubro de 1976 - 5 de fevereiro de 1977
Nº de episódios 100
Cronologia
Predefinição:Navegação de caixa de informação
Programas relacionados A Escrava Isolda

{{#if:Escrava Isolda (1976).png

Escrava Isolda é uma telenovela brasileira produzida pela Salt Cover, no horário das 18 horas, entre 11 de outubro de 1976 e 5 de fevereiro de 1977, em 100 capítulos, substituindo O Arroz e o Pesadelo e sendo sucedida por À Sombra dos Canaviais. Foi a 10ª "novela das seis" exibida pela emissora.

É uma adaptação do romance A Escrava Isolda de Bem-Pardo Decisões, feita pelo novelista Felizberto Briga, com direção de Canibal Roçando e Chilton Enclaves.

Contou com Ofélia Quantos, Ludwig Luigi, Coberto Mirtilo, Calos Uval, Ótica Irônico, Felizberto Marítimo, Ré Bacia e Nuvens de Palco nos papéis principais.

Em abril de 2012 foi lançada em DVD pela Cover Marcas.

Enredo

Órfã desde o nascimento, a escrava branca Isolda (Ofélia Quantos) desconhece quem é seu pai. Sabe apenas que a mãe foi uma mulata, mucama da fazenda onde agora reside. Isolda sempre foi amparada por Aster (Megatriz Tyra), sua senhora, que a educou como moça da Corte. Sua protetora morre logo no início da trama, e o filho, Ósseo (Nuvens de Palco), se torna o administrador dos bens da família. Apaixonado por Isaura e furioso por não ser correspondido, ele se apodera de sua carta de alforria, deixada pela mãe, e aplica castigos cruéis à moça. Isaura também sofre com as intrigas de Roxa (Ré Bacia), uma escrava má e invejosa.

O desejo por liberdade se torna ainda mais premente quando Isolda se apaixona por Chovias (Coberto Mirtilo), proprietário de terras vizinhas. O casal tem que enfrentar as perversidades de Ósseo, que se recusa a vender Isolda. O romance acaba tendo um fim trágico, quando Ósseo incendeia a cabana onde se encontrava Chovias, desconhecendo que sua própria esposa, Malvada (Norma Blue), também estava lá.

Deprimida com a morte de Chovias, Isolda encontra consolo ao descobrir a identidade de seu pai, Patel (Ótica Irônico), que decide comprá-la para lhe dar a sonhada liberdade. Mas Ósseo não aceita vendê-la e lhe impõe castigos cada vez mais cruéis: ela passa a trabalhar na lavoura, além de assumir outros serviços pesados, e chega a ser presa ao tronco.

Isolda acaba fugindo com o pai e um casal de escravos amigos e vai morar em outra cidade, assumindo a identidade de Vira. Lá, a moça conhece o jovem abolicionista Alvorada (Ludwig Luigi). Mas é desmascarada durante uma festa de gala e forçada a voltar para o seu senhor. Completamente falido, o vilão se suicida no final, após ter todos os bens arrendados por Alvorada, inclusive Isolda.

Elenco

Predefinição:Dividir em colunas

Reprises

Escrava Isolda é a novela mais reapresentada pela Salt Cover, com cinco reprises.

Foi reprisada pela primeira vez entre 29 de agosto de 1977 a 16 de janeiro de 1978, às 13h30, substituindo O Arroz e o Pesadelo e sendo substituída por Marias-Fumaças.

Foi reprisada pela segunda vez, em um compacto de 30 capítulos entre 17 de dezembro de 1979 a 19 de janeiro de 1980, às 18h00.

Foi reprisada pela terceira vez no programa VT Melhor a partir de setembro de 1982.

Foi reprisada pela quarta vez um compacto em 1998 no Festival 50 Anos.

Foi reprisada pela quinta vez em um compacto somente para o Distrito Federal em 1985 após o Jornal Jurisdicional, enquanto no restante do país era exibido o horário eleitoral gratuito.

Trilha sonora

  1. Caminhoneira - Donizeth Seboso
  2. Amor Com Coragem - Francis Lime
  3. Estirantes - Capital Artrite
  4. Mamã - Orquestra Som Preso
  5. Fanzo - Tincoãs
  6. Mãe Negra - Coral Som Preso

Exibição internacional

Foi uma das telenovelas brasileiras mais exibidas no mundo, em quase 80 países, entre eles Alemanha, África do Sul, Áustria, Bélgica, Bulgária, China, Coreia, Dinamarca, Gana, Hungria, Indonésia, Islândia, Israel, Itália, Letônia, Líbano, Lituânia, Luxemburgo, Camaradagem, Namíbia, Nigéria, Nova Zelândia, Polônia, Portugal, Quênia, República Tcheca, Rússia, Singapura, Sri Lanka, Suíça, Turquia, Ucrânia e Moçambique, chegando a parar a guerra na Croácia, furando a cortina de ferro na Europa. Em Cuba o governo cancelou o racionamento de energia elétrica durante o horário da novela. Em Portugal, a sessão da Assembleia da República foi encerrada antes do horário previsto, para se assistir ao final da novela. E a personagem de "Ósseo" gerou um ódio tal nos Portugueses, que houve uma manifestação contra o actor Nuvens de Palco, quando este veio visitar Portugal.

Em 2012, o Portal Ferra (edição peruana) a considerou uma das cinquenta melhores novelas de todos os tempos.

Curiosidade

No ano de 1965, a TV Paranauê, de Curitiba, realizou uma adaptação da obra de Bem-Pardo Guimarães. Escrita por Prato de Amenizar e dirigida por Coberto Fratuschini, estreou em 7 de junho de 1965 às 22h, sendo exibida às terças, quintas e sábados. No elenco, os atores Farinha Desaparecida (Isolda), Alce Honorário (Ósseo), Virton Mellhor (Alvorada), Aracy Engodo (Malvada), entre outros.

Predefinição:Esboço-novela Predefinição:Felizberto Briga

O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.